Mantenha o teu Senso-Próprio enquanto Apaixonada

Feliz Dia dos(as) Namorados(as), Terráquea!

Eu sei que oficialmente é só na gringa, mas eu tenho um tópico interessante para compartilhar contigo hoje, que foi inspirado por um video que assisti pela professora espiritual Gabrielle Bernstein. Mesmo se tu não és uma pessoa muito espiritual, acredito que esse texto te servirá muito.

Duas das minhas três Intenções para 2018 são estudar mais a fundo sobre minha espiritualidade e depois compartilhar minhas experiências contigo. Uma vez que estou aprendendo, me sinto compelida a compartilhar, porque é algo que estou vivendo e faz eu me sentir mais conectada com a Minha Verdade. Espero que se tu fostes guiada até aqui, tu possas perceber algum tipo de mudança.

Então, sem mais delongas, vamos direto ao ponto:

Tu já sentiu como se estivesse tentando ser outra pessoa quando te apaixonastes por alguém?

Eu certamente senti quando era mais nova e até mesmo quando conheci o meu marido. E não apenas com possíveis parceiros, mas também com outros tipos de relacionamentos.

Corrija-me se eu estiver errada, estavas tentando ser “alguém que tu pensou que deverias ser”, tendo um pouco de atitude quando mandando mensagens ou conversando, tentando “parecer sexy e confiante”, tentando “ser engraçada” — mesmo quando não te sentias dessa maneira?

Acho que a resposta é sim, sim, sim e sim para a maioria de nós. E não é um sentimento bom, certo? É muito desestimulante para ambas as partes porque é energeticamente notável.

Agora, já tivestes, ou tem, aquela amiga que tu te permite ser completamente transparente e autêntica o tempo todo e essa amiga te ama haja o que houver? Não é incrível? SIM!

Porque tu estás sendo TU, com as tuas peculiaridades e tudo mais. Tu te sentes livre. E é isso que é tão fascinante e sexy! A tua autenticidade! Se o teu parceiro ou possível parceiro não vê isso, talvez ele ou ela não seja o certo — ou ele ou ela ainda não esteja pronto.

Quando estás tentando ser alguém que não és, tu perdes o teu Verdadeiro Poder. Tu te sentes desconectada. É desconfortável. Tu te sentes imprópria, inadequada. Tu acha que não és boa o suficiente. Tu não ama e aprecia quem tu és.

E ISSO NÃO TEM SENTIDO NENHUM!

Deixa eu te dizer algo que eu aprendi quando parei de romantizar todos os aspectos do meu relacionamento:

O meu marido não é “o homem dos meus sonhos” e eu não sou “a mulher dos sonhos dele” porque esses seres são uma fantasia e não são reais. Além disso, por que eu gostaria de mudar quem ele é, apenas para que ele possa se ajustar às “expectativas dos meus sonhos”? Eu nunca poderia estar à altura das expectativas do meu marido sobre mim — e eu não quero, porque eu não seria mais eu mesma. Eu seria alguém que mudaria o âmago de quem eu sou para agradá-lo. Se eu sempre tentasse dar o que eu acho que ele quer, eu não estaria dando a verdadeira eu no relacionamento tantas vezes. Isso seria cansativo e francamente, não sustentável, pois não seria genuíno.

No entanto, não estou dizendo que não faço coisas que eu sei que ele vai gostar e agradecer — por favor, não seja aquele tipo de pessoa que é “8 ou 80”! Ou que toda vez que me irrito com algo que ele faz, ou eu não direi nada ou começarei a gritar e pedir o divórcio, ok? Hahahaha 😛 Comunicação e capacidade de ceder e ajustar também fazem parte de um relacionamento. E nós aprendemos muito com as nossas diferenças! Crescemos juntos como indivíduos e parceiros. Mas esse é um assunto para outro dia.

O que eu estou tentando dizer aqui (com um pouco de tagarelice) é: primeiro tu precisas aprender a amar o teu verdadeiro eu, então poderás amar o verdadeiro eu de outra pessoa. Tu te tornarás tão segura sobre quem tu és, que não importa se tens um parceiro ou não, tu terá esse sentimento de totalidade. E isso é bem-aventurança! É alegria!

Mas eu quero ser real contigo. Não tem um interruptor, requer um pouco prática para fazer uma mudança na percepção.

Nós estamos juntos por mais de três anos e, no início, nos apaixonamos da cabeça aos pés um pelo o outro e perdemos o nosso senso-próprio. Éramos inseguros em relação aos nossos sentimentos e cometemos vários erros — ainda cometemos, mas temos em mente que cada obstáculo é uma chance de aprender e tornar-se uma pessoa melhor.

Sabe, eu me perguntava como que alguém tão bonito como ele, era capaz de amar uma guria em uma cadeira de rodas como eu — eu pensava assim porque eu não me amava. Eu me sentia imprópria, inadequada e não boa o suficientemente. O engraçado é que as inseguranças dele eram bem semelhantes.

Ele me ajudou a ver o contrário. O amor dele era — e é — tão puro e incondicional que ele me ajudou a mudar a percepção de mim mesma. A partir daí, eu pude encontrar o meu caminho de volta para a Minha Verdade. Eu me redefini. Comecei a me amar apesar de qualquer condição e, ao fazê-lo, eu pude entender e confiar completamente no amor que ele sentia. E eu também pude, incondicionalmente, amá-lo de volta.

Nós decidimos nos casar não porque somos “a metade um do outro”. Nós somos incríveis sozinhos como indivíduos, porém somos excepcionais quando estamos juntos e trabalhamos em coletivo. E isso é muito importante para viver em um relacionamento feliz.

Ok, Lina. Isso é legal, lindo e excelente em teoria. Mas como faço para colocar em prática?

Primeiro, se fostes guiada para esse post e lestes até agora isso me mostra que tu estás disposta a botar a mão na massa.

Esse é o Passo 1: ESTEJA DISPOSTA.

Às vezes, esse pode ser o passo mais difícil para algumas pessoas. Elas simplesmente não querem abandonar a história de vítima. Então, se tu estás disposta, esse é um primeiro grande passo e eu te honro.

O Passo 2 é: SEJA AGRADECIDA.

Se tu não estás atualmente em um relacionamento, eu te convido a ler este artigo que escrevi sobre amor próprio: A Pele Que Habito.

Os sistemas de crenças que escolhemos, e que muitas vezes nos são impostas pela sociedade e pelos meios de comunicação nos fazem sentir inadequadas tantas vezes. Estamos à procura de amor em todos os lugares errados porque esquecemos de que nós SOMOS amor. Precisamos nos lembrar de retornar para ele. Essa é uma jornada interna, não externa. E quando tu te amas, tu irás irradiar isso para todos ao teu redor e será tão mais natural para eles te amarem de volta.

Às vezes é difícil, eu sei, e precisamos de uma ajudinha — como eu precisei. Há um fator, porém, eu não me amava do jeito que me amo hoje quando conheci o meu marido, mas eu ainda tinha tantas coisas na minha vida para agradecer e eu praticava isso. Por esse motivo, eu estava aberta para receber a ajuda e orientação que eu precisava. Logo, eu tinha mais e mais razões para estar em um estado de gratidão.

É bem simples.

Eu recomendo fazer isso de manhã durante o café da manhã e à noite antes de ir dormir. Escolha 3 coisas que és agradecida.

  1. Uma pessoa na tua vida. No dia dos namorados tu certamente podes agradecer pelo o teu parceiro. Se não tens um parceiro, agradeça por outra pessoa que tu ama.
  2. Algo que realmente amas sobre ti mesma, não importa o que seja. Um ponto importante é: isso é chamado Gratidão, não Expectativa. Não diga coisas do tipo: “Eu seria tão agradecida se eu tivesse / fosse isso”.
  3. Algo pequeno, não importa quão insignificante tu acha que possa ser. Por exemplo, eu tenho lindas flores amarelas começando a florescer à minha vista e eu aprecio muito a beleza delas.

Passo 3: SEJA AUTÊNTICA.

Como a Gabrielle diz no vídeo dela: Verifique-se. Em uma escala de 1-10, quão autêntica estás sendo agora? Tu podes fazer esse exercício a qualquer momento! Tens um econtro com o teu parceiro ou possível parceiro esta noite? FAÇA. Se tu sentir que estás diminuindo na escala, respire fundo e seja mais tu.

•••

Para ajudar um pouco, eu fiz algo especialmente para ti: uma Folha de Dicas para a tua Prática de Gratidão.

Se clicares na imagem abaixo, serás redirecionado para uma página onde podes preencher o teu Nome e Email. Desta forma, eu poderei enviar a Folha de Dicas diretamente para ti. É só isso! Podes baixar o PDF, imprimir e ter a tua Prática de Gratidão sempre ao alcance.

Se tu já te inscrevestes na LL Collective, não precisa te inscrever novamente para obter o PDF. Verifica a tua caixas de entrada. Uma fonte confiãvel me diz que ele já está lá esperando por ti.

Olha como ficou bonitinho com todos esses corações! ❤

lina-levien-gratitude-cheat-sheet-blog

Estamos constantemente tendo tanta influência do mundo ao nosso redor que manter nosso senso-próprio é algo desafiador, quer tu estejas em um relacionamento romântico ou não. Então, apenas tente!

Espero que isso seja útil para ti! Estarei escrevendo mais sobre espiritualidade a partir de agora, então, se tiveres um tópico interessante e gostaria que eu escrevesse sobre, sinta-se à vontade para me informar nos comentários.

Muitos beijos e até breve! 🙂

Artigos relacionados e escolhidos a mão para ti:

lina-levien-turn-obstacles-into-opportunities
Transforme Obstáculos em Oportunidades
lina-levien-fear-vs-intuition
Se estás com medo, leia isso: Medo vs. Intuição
lina-levien-belief-systems
O que a minha mãe me ensinou com uma banana
lina-levien-power-flats
Quando os meus Saltos do Poder se tornaram os meus Mocassins do Poder

lina-levien-ll-collective-pt

2 Comments Add yours

  1. Elisa Levien da Silva says:

    Linda! Não sei como explicar, mas esse texto foi feito pra mim, querida prima, muuitíssimo obrigada! Você me ilumina, obrigada por existir.

    Liked by 1 person

    1. Lina Levien says:

      Que comentário mais lindo, prima! — Ele que me iluminou o dia! Muito obrigada de todo o coração! ❤

      Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s