Se você está com Medo, leia isso

Oh. My. Goodness. Hoje é o primeiro aniversário da Arte de Redefinir-se! Que jornada incrível tem sido! Tantas coisas que aprendi, tantas pessoas lindas que tive a oportunidade de conhecer e projetos cheios de amor com os quais estive envolvida.

Mas eu preciso ser sincera; uma das coisas que passei repetidas vezes durante todo o ano passado foi MEDO. Uma mistura de um nó na barriga e excitação ao mesmo tempo. Sabe do que eu estou falando?

Provavelmente sim.

Então, hoje vamos falar sobre Medo — não do tipo “não entre naquele beco sombrio e suspeito”, mas o “Eu não sou boa o suficiente”, “Quem sou eu para fazer isso?”, “Eu não estou pronta” tipo de medo.

E acredite quando eu digo, sendo uma Terráquea introvertida e tímida se manifestando publicamente, eu estive nessa situação repetidamente.

Processed with Focos

O negócio é o seguinte, o nosso cérebro é velho — tipo, milhares de anos — e naquela época os nossos ancestrais precisavam ter medo para sobreviver e prosperar. Eles precisavam estar em constante medo e alerta, caso contrário, eles terminariam como refeição de algum animal selvagem.

Hoje em dia as coisas são melhores — beeeeeem melhores!

Ainda assim, toda vez que somos chamadas para fazer algo diferente e que desafia o nosso status quo, ficamos com medo. E sentir medo e ter dúvida é ok, contanto que você não permita que ele paralize as suas ações e te impeça de fazer a diferença que você nasceu para fazer neste mundo.

Eu estava com medo quando rolei com a minha cadeira de rodas naquele avião e vim para a Alemanha, deixando todos e tudo que eu conhecia para trás? Claro que sim!

Eu estava com medo quando apertei publicar em A Arte de Redefinir-se e me mostrei “de verdade”? Claro que sim!

Eu estava com medo quando mandei o meu vídeo para a bolsa de estudos da Marie Forleo e estava tão consciente da minha voz ser fraca e incerta? Caramba, sim!

Este vídeo foi uma das coisas mais assustadoras que eu tinha feito em algum tempo. O pensamento de filmar e depois publicá-lo para o que eu sabia, muitas pessoas assistiriam, era meio desesperador. Eu sou muito mais confortável quando estou escrevendo — embora, artigos como esse também me causam um nó na barriga. Mesmo assim, eu não conseguia me livrar da sensação de que EU TINHA QUE FAZER — da mesma maneira como aconteceu com as outras coisas. Eu sabia que não era sobre mim. Fazia parte de um plano muito maior e eu tinha que desempenhar o meu papel.

MAS, COMO SABEMOS SE O NOSSO MEDO ESTÁ REALMENTE NOS PROTEGENDO OU NÓS ESTAMOS APENAS DESCONFORTÁVEIS DE SAIR DA NOSSA ZONA DE CONFORTO?

Bem, na verdade, aprendi que há 4 maneiras de descobrir. Eu tenho contado com estas 4 práticas durante esse último ano — algumas até mais do que isso. Elas têm me servido muito e hoje eu vou compartilhá-las com você.

1. Confie em seu Sistema de Orientação Emocional

Essa é uma lição que aprendi com a professora metafísica Abraham-Hicks há muitos anos. Todos nós nascemos com esta Orientação Emocional, que é COMO NÓS NOS SENTIMOS. Sim, é simples assim (e não tão simples ao mesmo tempo, mas a vida é apenas um enigma de paradoxos, minha gente).

Nós reagimos com nossos sentimentos a cada coisa que fazemos. Às vezes nos sentimos bem, nos sentimos “certas” e às vezes não nos sentimos bem. Para explicar de uma maneira bem fácil, toda vez que nos sentimos bem é uma indicação de que estamos alinhadas com a nossa Inteligência Interna — nosso Espírito, nossa Alma, nossa Fonte, seja o que for que você queira nomear — e isso significa que estamos no caminho certo. Consequentemente, quando não nos sentimos bem ou algo não parece certo, é um sinal que precisamos realinhar com a nossa Inteligência Interna.

lina-levien-quotes-abraham-pt

Como meu exemplo pessoal, quando pensei em A Arte de Redefinir-se, eu senti medo. Agora, você acha que o medo se encaixa na pilha de “não se sentir bem”, certo? E é muitas vezes, mas nem sempre. Crescimento parece desconfortável porque é novo; é sair da zona de conforto; é enviar mensagens para o cérebro do tipo “Estou enfrentando o deserto e posso não sobreviver!” e o cérebro então reage: “ALERTA VERMELHO! TODAS AS MÃOS PARA AS ESTAÇÕES DE BATALHA!

warning-star-trek
Cancele o Alerta Vermelho!

No entanto, com todo esse medo eu também estava experimentando Excitação. É realmente difícil colocar em meras palavras. Esse é o momento em que pedimos ajuda do nosso corpo…

2. Confie em seu Sistema de Orientação Físico

Isso é algo que aprendi com a minha mentora, Marie Forleo. Nosso corpo físico também nos mostra sinais de alinhamento ou desalinhamento.

Por exemplo, quando eu estava pensando em A Arte de Redefinir-se, senti borboletas de excitação em minha barriga, embora também houvesse medo envolvido. Senti meu peito levantar e toda a parte superior do meu corpo se E X P A N D I R. Esta palavra é fundamental aqui e é um sinal de alinhamento.

Agora, eu tive um grande número de leitores nesse artigo, mas eu queria que mais pessoas o lessem. No entanto, não me sentia bem em enviar o meu post para todos, compartilhando o link várias vezes ao dia. Eu me sentia CONTRAÍDA. Uma sensação de coração apertado e um medo em geral no meu peito. Para mim, isso foi um grande sinal de não-não.

3. Pergunte aos seus Entes Queridos

Para que este funcione, você deve ter em mente que o seu ente querido deve ser alguém em quem você confie e que faça os comentários bons e ruins. E às vezes pode não ser algo que você queira ouvir, mas confie em mim: deve ser assim. Nós nunca estamos sempre certos ou errados.

Agora que você tem o seu ente querido confiável, comece a falar com ele sobre o que você quer fazer! Quando falamos verbalmente sobre algo que nos assusta, mas também nos excita, nós iluminamos. É do jeito que é. Nós temos um sorriso bobo enquanto estamos falando, o tom da nossa voz sobe e desce e sobe sobe sobe como uma montanha-russa.

E o mesmo funciona com o medo temeroso. Sua expressão facial, sua voz, sua linguagem corporal vão para baixo. Certamente, seu ente querido pode dizer a diferença — e você também.

4. Pergunte Através da Oração

Isso é relativamente novo para mim. Eu aprendi isso com as professoras espirituais Marianne Williamson e Gabrielle Bernstein.

Toda a minha vida eu fui de ir atrás das coisas que eu queria para “fazer acontecer”, e às vezes é muito difícil porque há tantas coisas que eu quero fazer, mas o meu corpo físico me limita. Foi quando aprendi o conceito de Entregar-se. E eu não estou exagerando quando digo que quando eu parei de tentar controlar tudo ao meu redor, foi quando eu finalmente comecei a florescer, exatamente como essas florzinhas adiantadas aí na neve.

Talvez você tenha testado todos os outros três conselhos que eu te passei, mas você ainda está com medo e não sabe o que fazer. Eu passei por isso, e agora vou contar o conselho mais importante de todos: É hora de se entregar. Esqueça o que você acha que precisa ter ou fazer. Peça a Deus e ao Universo por orientação. Pergunte através da oração. É a lei; quando você pergunta, você receberá uma resposta. Talvez você apenas não esteja escutando.

Todos nós nascemos com essa linha direta com Deus e acredito que Ele fala através de nós. Você só precisa prestar atenção e ouvir aquela pequena voz de sabedoria dentro de você. Pode vir das formas mais inesperadas — alguém lhe diz algo que clica na sua cabeça, ou você lê em algum lugar, pode ser qualquer coisa! Se você é um membro da LL Collective, você sabe as formas em que eu recebi os meus sinais.

E depois de receber seus sinais e orientações, tome uma ação inspirada e aí sim, faça acontecer.

Processed with Focos

Sabe o vídeo que eu estava falando lá em cima? Eu nunca pensei por um minuto em não fazer. Como eu disse anteriormente, eu tenho confiado nessas 4 práticas por mais de um ano e eu sabia melhor do que ceder aos meus medos. Mesmo que eu estivesse com medo, eu queria fazer. Algo dentro de mim sabia que eu tinha que fazer aquele vídeo. E esta oportunidade só veio até mim por causa da Arte de Redefinir-se — outra que eu simplesmente sabia que tinha que fazer.

Uma semana depois, recebi a magnífica notícia de que eu havia sido escolhida para receber uma das bolsas de estudo — ao lado de outras 17 lindas almas! Estou com medo de novo? CLARO, TCHÊ! Mas quer saber? Se eu esperar até eu “achar” que estou pronta e não estiver mais com medo, eu vou perder tempo, porque provavelmente eu nunca me sentirei pronta. E honestamente, Deus e o Universo me presentearam com essa oportunidade no momento certo e eu confio Nele.

Quando eu penso para trás, lembro-me de experimentar esses sentimentos de medo e excitação sobre A Arte de Redefinir-se também. Mas eu não poderia ter escolhido um melhor momento para publicar. Eu estou além de agradecida e profundamente honrada por ter esta comunidade em crescimento aqui, e estou comprometida com a melhor das minhas habilidades para tomar uma posição de gentileza, respeito e integridade, tanto quanto aprender, ensinar e usar as ferramentas para fazer a diferença no mundo — porque SIM, NÓS PODEMOS MUDAR O MUNDO, e isso começa conosco, uma redefinição de cada vez. Então, nós trazemos essa nova atitude para o mundo e, ao fazer isso, nós o mudamos.

Processed with Focos

Eu concluirei com isto: há apenas uma de você. Ninguém jamais terá as mesmas experiências, encontros, sucessos, fracassos, medos e mais o quê do que você. Você é insubstituível e única. Se você tem algo que precisa fazer e compartilhar com o mundo — e o mundo pode ser tão próximo quanto o seu bairro — que você sabe que pode servir alguém, FAÇA. Faça porque, se você não fizer, ninguém mais o fará.

Como a Marie sempre diz: “O mundo precisa desse dom especial que SÓ VOCÊ tem”.

AGORA É SUA VEZ: O que você anda atrasando porque acha que não está pronta?

Pense nisso e ESCREVA, pode ser no seu diário ou em qualquer pedaço de papel, o aplicativo de notas no celular

OU

se você está se sentindo corajosa o suficiente para compartilhar, deixe um comentário — e eu peço você o faça, porque uma das coisas que nós, seres humanos, compartilhamos é estar com medo de vez em quando, e todos nós podemos apoiar uns aos outros!

Compartilhe esse post com uma amiga, um amigo ou um membro da família que esteja precisando ler isso.

Muito obrigada pelo último ano! ❤

Com todo o meu amor,

Lina

lina-levien-ll-collective-pt

2 Comments Add yours

  1. T.Gacciona says:

    Ótimo texto! 🙂

    Liked by 1 person

    1. Lina Levien says:

      Fico feliz demais em saber que você gostou! Muito obrigada! ❤️

      Liked by 1 person

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s